Words: By Vaughan Blakey

“O equilíbrio da alma está lá, aonde os mundos internos e externos se encontram.” – Joseph Campbell

Mick Fanning está pulando de euforia. Foram gastos quatro dias para chegar até aqui e acordar com a visão de ondas de 6 a 8 pés quebrando bem na frente do acampamento deixou o tricampeão do mundo acelerado. Ele veste sua roupa de borracha, desce pelas pedras em direção ao mar, pula na agua e é arrastado para a arrebentação enquanto a primeira série da manhã começa a se formar no horizonte. O impacto é inevitável. Onda após onda o poder incontrolável do oceano é descarregado direto na cabeça loira do filho favorito de Kirra point. Enquanto assistimos Mick ser amassado na arrebentação, Mason Ho que preparava sua prancha 6´4”, leva ela de volta para a capa e pega uma 6´8” com uma rabeta round. ” está muito maior do que parece no fundo” ele diz com um enorme sorriso. ” Irmão… O the search está começando de novo”.

Aonde estamos exatamente? Haha até parece que iriamos contar. Isso é o the search no fim das contas. Não é feito para espalhar os picos secretos, é para inspirar você e seus amigos a se jogarem no desconhecido e encontrarem os seus próprios picos perfeitos. Olhando ao redor, nós poderíamos estar em milhões de lugares diferentes. Enormes planaltos secos se esticam por milhas suavizados apenas pelo familiar céu rosa do sol que está para nascer. Poderia ser no oeste da Austrália, poderia ser no chile, poderia até ser na lua… (Se a lua tivesse um céu azul, ondas perfeitas e um pequeno lagarto fazendo flexões em uma pedra ali perto). Isso é o deserto e como qualquer outro deserto no mundo, não precisa se aventurar muito dentro de um para rapidamente sentir uma sensação de solidão esmagadora – Um sentimento que está cada vez mais raro já que a vida moderna invade cada vez mais o nosso espaço pessoal…, mas não vamos focar nisso por enquanto.

A tremenda imensidão do céu sobre nós e a solidão imensa na terra ao nosso redor não tem nada a ver com o mar de hoje, pelo menos não durante a luz do dia. Essa costa irregular que vamos chamar de casa pela próxima semana está bombando com imensos tubos em pé onda após onda por todo o pico. Com o vento esperado para ser terral por toda semana, sem nenhuma outra alma ao redor e absolutamente sem contato nenhum com o mundo lá fora, chega até a parecer uma gigante peça da nossa imaginação, mas se algo não pode existir se não tiver nada… então agora o nada é aonde estamos.

Mick brinca de polícia e ladrão atrás de uma onda com o mar mudando muito por 20 minutos até que finalmente ele pega uma bomba. Dropando atrás do pico ele acelera na cavada rasga e atrasa com as mãos na parede e casualmente fica paralisado de pé enquanto o mundo inteiro gira ao seu redor. É uma coisa arrepiante de assistir, e não só pelo vento estar á 180 nós e gelado suficiente para congelar os mamilos de um pinguim. Isso é Mick por inteiro, o tipo de linha que estávamos sentindo falta desde o dia em que ele aposentou as lycras em bells, e assim que ele sai do tubo e voa para uma caverna sem saída você se lembra que o estilo, precisão e o poder de uma lenda do surf são coisas maravilhosas de se testemunhar.

Mason chega no fundo e Mick deve estar feliz pela companhia. Lá tem focas pulando para todo lado por enquanto ainda não tem ursos polares ou baleias assassinas, ainda é preciso se preocupar com outro predador com um gosto refinado por focas e campeões mundiais nascidos em Penrith. Após ir trocando algumas boas ondas com Mick e sentindo o tamanho extra que decidiu usar em sua prancha, Mason desce uma bomba. Despencando no drop, afiando a borda na cavada e passeando pelo salão antes de ser cuspido para o canal como um habitante de um vilarejo cuspido da boca de um dragão – uma criatura que Mason diz que gostaria de ser um dia, assim ele poderia voar até o topo de uma montanha para checar as ondas antes de queimar um vilarejo inteiro na volta para casa. É apenas mais uma das coisas que vamos aprender sobre Mason durante a próxima semana, ele é um homem que encara cada conversa do mesmo jeito que ele surfa – uma oportunidade de acender a imaginação e criar algo magico. – E ele sabe bem como fazer isso

Os dois amigos dividem tubos o dia inteiro. Eles ficam de roupa de borracha da manhã até a noite. Quando o sol se põe e a fogueira do acampamento ganha vida, eles chegam ao ponto de total exaustão. Os elementos do lugar e o dia de surf tiraram todas as suas energias, e essa noite eles vão dormir como bebês.

Isso é o the search.

“Meu bisavô era chinês. Ele escapou da perseguição na China voando para o Havaí. Ele era um ótimo pescador e eu acho que minha bisavó gostava muito “daquilo” pois eles acabaram tendo 14 filhos e um deles era o pai do meu pai, mas talvez eu não deveria dizer isso para vocês pois eles ainda podem estar por aí para assustar a gente” Mason Ho está sentado ao lado da fogueira nos contando a origem do seu famoso sobrenome, um nome lendário no meio do surf. Seu pai, Mike, é um dos únicos surfistas que ganhou os três eventos da tríplice coroa em Haleiwa, Sunset e Pipe. Sua irmã mais nova, Coco, está atualmente no circuito mundial de surf feminino. Seu tio, Derek, é o primeiro campeão mundial de surf havaiano além de ser também um pipe master. A família Ho é de outro mundo todos são fissurados, mas é possível acreditar que Mason é o mais fissurado de todos eles, isso até você escutar a história da única vez em que ele viu o pai dele chorar. “Eu já vi os olhos dele lacrimejarem quando alguém da família morreu ou coisas do tipo, mas quando roubaram as pranchas dele na França, eu juro que foi a única vez que eu vi lagrimas de verdade.” Talvez a única coisa que os Ho amam mais do que surfar são as suas pranchas.

É a nossa quarta noite no deserto e o fogo vem estendendo todas as nossas conversas desde a primeira noite. Com o vento diminuindo e todos exaustos de um longo dia de surfe, a vida no deserto está acontecendo. As lagostas foram retiradas de suas tocas a menos de 9 metros do lugar onde estamos sentados e são devoradas como tigelas de amendoim em bares. A nossa pele não é tocada por agua fresca desde o dia em que chegamos e as pálpebras de todos estão cheias de sal que você juraria que estão fritas. Os dias são para o surfe, mas as noites são para contos e historias verdadeiras.

A relação entre Mick e Mason, irmãos do the search é algo para contemplar. Mick, o mais novo entre 5 irmãos faz o papel do irmão mais velho com facilidade. Mase, que é um irmão mais velho, mas nunca teve um (ele tem uns 10 mil tios, mas não tem nenhum irmão) vê Mick com uma imensa admiração. Os dois se equilibram com um afeto sincero, Mick chega até a atentar Mase a colocar o cinto sempre que entram no carro. Nos seus corações tem valores semelhantes, um amor sincero pela família e amigos, um respeito mútuo as diferentes abordagens que os outros enxergam nas suas maneiras de surfar. Em toda viajem eles aprendem um com o outro, tanto dentro da agua como fora. E os dois aproveitam ao máximo a companhia.É quando Mick fala sobre os títulos mundiais, as etapas de qualificação, a vida no circuito e as vitorias que os ouvidos de Mason mais se atentam. O havaiano ama competições e quer para ele uma parte dessa vida no circuito mundial a qualquer custo. Quando Mick é perguntado em qual momento após ter ganho o título mundial ele teve a melhor sensação, Mason vai se inclinando para a frente para absorver cada pedaço da reposta e quase cai na fogueira. ” no chuveiro depois de chegar em casa da bateria que decidiu o título” Mick diz no momento “Depois que você lida com toda a adrenalina do momento, toda a energia da praia, todas as pessoas te parabenizando e outras coisas, chegar em casa e entrar no chuveiro é o primeiro momento em que você fica sozinho, e é aí que todo o trabalho duro e o sacrifício pessoal que você fez para chegar a esse feito te atinge… e aí você simplesmente começa a berrar”

Mason se inclina para trás balançando a cabeça e fecha o punho para cumprimentá-lo. Mick agradece e dá um soquinho na mão do Mason para selar o comprimento. “Isso é praticamente tão bom quanto o dia em que aconteceu,” Mick continua ” quando Joel foi campeão mundial, ele veio me perguntar mais ou menos uma semana depois ‘ é isso? E eu respondi ‘sim, é isso mesmo parceiro!'” Mick dá risada e Mason dá a mão mais uma vez para cumprimentar Mick. “irmão,” diz Mason. ” eu faria qualquer coisa para sentir esse momento. Vocês campeões mundiais são como deuses para mim” Mick dá risada. “Não mesmo, somos apenas outro vagabundo no chuveiro no final do dia, parceiro,” ele responde.

Há um momento de silencio enquanto o olhar de todos se volta para as estrelas. Livre de toda poluição, a via láctea está no auge do seu esplendor. O momento vai se prolongando calmamente enquanto refletimos sobre o nosso lugar no universo. Mase quebra o silencio do nada nos contando que ele foi concebido durante uma ondulação que atingia pipeline. “tem uma grande chance de que na manhã da noite que minha mãe engravidou, eu estava lá entubando em Pipe com meu pai!” O acampamento inteiro explode de dar risada e agora é Mick que oferece um soquinho para cumprimentar Mason.

Chega um momento depois de muitas horas de surfe na agua gelada onde os seus polegares param de funcionar, as veias se contraem e o fluxo sanguíneo diminui de uma forma que nem o hálito quente pode destravar os dedos. Polegares são o que separam os humanos dos primatas e outros animais, então quando os nossos param de funcionar, especialmente depois de uma semana no meio do nada, é fácil de se sentir regredindo para um tipo de humanoide primitivo. Tarefas simples do dia a dia como tirar a bota grunhindo de cansaço, podem ser facilmente interpretadas como uma espécie de exibição ritualista, cortar madeira se torna um exercício de loucura absoluta. Com Mick e Mason sofrendo os efeitos debilitantes da longa exposição ao frio, o acampamento assumiu um sentimento primitivo, e não seria uma grande surpresa descobrir um monólito preto gigante saindo de nossa fogueira enquanto a Odisseia do espaço de Kubrick ecoa pelas planícies. As coisas estão assumindo um clima de ficção cientifica, sem problemas, ou homem ou macaco, ou seja lá o que for que estamos nos tornando, tudo vale a pena pois o surfe não para.

Com o risco de soar ridiculamente obvio, é ridiculamente obvio o quanto é bom procurar, encontrar e surfar ondas perfeitas. Com o acampamento desmontado, nós sentimos uma sensação ruim em retornar para o mundo real, mas somos recompensados com a gratidão por termos dividido uma experiência como essa. Sem contar os músculos cansados, lábios rachados, olhos cansados e polegares travados, nenhum de nós já se sentiu melhor. “isso é viver” se tornou o lema da viajem e já que a busca por ondas perfeitas nos proporciona lições de vida que se esticam além do surf. Vem à tona a pergunta: Porque não fazemos isso mais vezes? Tudo sobre a fogueira, estrelas e os tubos infinitos simplificam as maneiras que você vive, dividir esse sentimento com os amigos apenas reforça esse sentimento. O espaço do deserto deixa o espaço da alma se alongar, as conversas que você talvez nunca escute em um diálogo normal se tornam comuns. Tudo está aberto para ser discutido e explorado. Essa é a pegada sobre o espaço, não é? A fronteira final é tão infinita para o nosso interior quanto é para o exterior, não é possível se aventurar nos limites externos sem expandir suas percepções internas. É entre o espaço interno e externo aonde você aprende tudo que é capaz e quem realmente você quer ser. Esse é o lugar onde o surfe trouxe Mick e Mason, e ainda existem muitas outras aventurar para se jogar. É um lugar que você pode visitar facilmente. Você está disposto a isso? Quando sua busca pelo seu espaço sideral começara?